24 de junho, de 2022 | 15:52

Governo fala em Auxílio Brasil de R$ 600 e vale-caminhoneiro de R$ 1.000

Guedes também defende que se dobre o valor do auxílio-gás, atualmente de R$ 53

Wilson Dias / Agência Brasil
O Pix Caminhoneiro, de R$ 1.000, cobre a alta do preço do diesel, segundo o ministro da Economia Paulo Guedes; governo espera gastar R$ 20 bilhões em recursos O Pix Caminhoneiro, de R$ 1.000, cobre a alta do preço do diesel, segundo o ministro da Economia Paulo Guedes; governo espera gastar R$ 20 bilhões em recursos

O valor do Auxílio Brasil poderá aumentar de R$ 400 para R$ 600. Além disso, o governo tem planos para lançar o Auxílio-Caminhoneiro de R$ 1.000, batizado de “Pix Caminhoneiro”, para cobrir a alta do preço do diesel, segundo o ministro da Economia Paulo Guedes. Pelas contas do governo, esse valor pode ajudar a diminuir em 20% o custo médio dos caminhoneiros por mês. As informações foram publicadas pelo site Uol/Folha na tarde desta sexta-feira (24).

Guedes também defende que se dobre o valor do auxílio-gás, atualmente de R$ 53. As ações devem custar R$ 29 bilhões e já estão sendo discutidas com os líderes dos partidos no Congresso.

O governo pretende colocar essas medidas no lugar da proposta que prevê a compensação financeira aos estados que zerarem o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos combustíveis até o fim do ano.

Para o ministério, a compensação do ICMS teria poucos benefícios no curto prazo e, com a troca, não seria preciso depender dos governadores para conseguir reduzir os preços dos combustíveis na bomba. Para a base do governo federal, os governadores estão judicializando a questão do ICMS e politizando o discurso.

O Ministério da Economia estima que o aumento do Auxílio Brasil teria um custo de R$ 22 bilhões para o Tesouro. Já o Auxílio-Caminhoneiro custaria R$ 5 bilhões.

Os recursos seriam cobertos por dividendos extraordinários a serem recebidos pela União de estatais, como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Ao todo, considerando todas as estatais, o ministério espera que a União receba mais de R$ 20 bilhões em dividendos extraordinários.


O governo rebate as críticas de que as medidas, que terão validade só até 31 de dezembro, têm caráter eleitoreiro. Segundo o governo, ao debater no Congresso a ampliação de benefícios sociais, em meio a uma crise de fome no Brasil, a oposição teria pouco espaço para votar contra as medidas.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Gildázio Garcia Vitor

25 de junho, 2022 | 13:21

“Infelizmente, meu voto já foi vendido, desde 1989, para o Luladrão, que roubou meu coração. Além disso, prefiro votar em "quem rouba mas faz". Sou Adhemarista desde pequenininho. Agora, quem quiser continuar votando em quem rouba mas não faz, pode continuar, pois temos bons nomes aqui em Minas, como, por exemplo, Aécio Neves, e no Brasil. Precisa exemplificar?!”

Tião Aranha

24 de junho, 2022 | 19:54

“Empreendedorismo no social faz parte do talento daqueles que nasceram para comandar. Choro e lamentações fazem parte da grande festa da democracia. Não se sabe o futuro dele aqui, mas o seu capital está bem guardado e protegido lá fora em paraíso fiscal, e em dólares. Tem gente que ainda espera algum benefício de politico. Risos.”

Rita de Cassia

24 de junho, 2022 | 19:05

“Esse demônio deixou a maioria do povo no maior sufoco durante três anos e meio de governo e agira que vê risco de perder a eleição aparece com essa migalha? O que é seu está guardado para outubro. Chegaaaa.”

Filisminu

24 de junho, 2022 | 17:54

“Bateu o desespero. Vale tudo pra se manter no poder e continuar a incompetência.”

Envie seu Comentário