10/08/2018 07:00:00

Prefeitos do Vale do Aço suspendem o expediente hoje

Os serviços essenciais devem ser mantidos normalmente em todos os municípios que participam do protesto contra o governo de Fernando Pimentel (PT)



Divulgação


Fórum Emergencial, realizado em Caratinga, reforçou a paralisação das prefeituras do Leste de Minas

As Prefeituras de Coronel Fabriciano, Dionísio, Ipaba, Jaguaraçu, Marliéria, Santana do Paraíso e Timóteo não terão expediente nesta sexta-feira (10). A paralisação dos serviços municipais faz parte do protesto contra os atrasos do Estado de Minas Gerais no repasse de recursos, em especial, para as áreas de saúde, educação e desenvolvimento social.

Os serviços essenciais devem ser mantidos normalmente em todos os municípios que participam do protesto contra o governo de Fernando Pimentel (PT), em obediência ao que foi anteriormente estabelecido em assembleia.

A decisão de paralisação das prefeituras do Vale do Aço e do Leste de Minas foi tomada no Fórum Emergencial realizado no dia 27 de julho, em Governador Valadares, e reforçada no encontro de terça-feira (7), em Caratinga. Nos dois encontros, representantes do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Econômico e Social do Leste (Cides-Leste), Associação dos Municípios da Microrregião do Vale do Aço (Amva) e Associação dos Municípios da Microrregião do Rio Doce (Ardoce) debateram demais ações para pressionar o Governo de Minas a repassar as verbas devidas.

Na reunião mais recente dos prefeitos do Leste de Mias, foi redigida a “Carta de Intenção” ao governador Fernando Pimentel (PT). O documento reafirma as paralisações das repartições municipais durante todas as sextas-feiras até o dia 20 deste mês. A carta ainda informa a realização do ato de protesto no dia 21, em Belo Horizonte.

Deliberações anteriores
Caso o Governo do Estado não inicie o pagamento das dívidas até o dia 20, foram estabelecidas outras ações que serão executadas pelos municípios como forma de protesto. Todas as atividades escolares da rede pública municipal serão paralisadas a partir do dia 20 de agosto, data em que será paralisado também o transporte escolar da rede pública estadual e suspensos os convênios com diversos órgãos estaduais, em caso de negativa do Poder Executivo do estado.


Dívidas impactam orçamento dos municípios

Somente com o município de Ipatinga, o mais populoso do Vale do Aço, o estado acumula dívida de R$ 78,5 milhões. Deste total, quase R$ 32 milhões são relativos a atendimentos diversos feitos a pacientes do SUS pela Fundação São Francisco Xavier (FSFX), via Hospital Márcio Cunha, e outros R$8 milhões são vinculados ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

Em Timóteo, outro município que terá os serviços municipais suspensos nesta sexta-feira, a dívida de administração mineira ultrapassa a cifra de R$18 milhões, segundo informações enviadas pela Prefeitura de Timóteo ao Diário do Aço. A Administração Municipal ainda informa que a adesão das escolas à paralisação é facultativa.



Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Comentários

José Gonçalves

10 de Agosto, 2018 | 10:44
Na minha opinião isto é uma falta de respeito com a população q precisa de consultar nos postos médicos, precisa tirar certidões na PMI, e notas fiscais, é falta de respeito com a população, e prevalia os funcionário com fim de semana prolongada de folga, isto é vergonhoso

G.silveira

10 de Agosto, 2018 | 08:00
Engraçado..... porque os prefeitos não se juntam para precionar o governo federal para que repasse as verbas federais para o Estado de Minas Gerais, de forma a que o governo estadual posso cumprir seus compromissos com os municípios? Este movimento em momento de eleição???????????

Manuel

10 de Agosto, 2018 | 07:50
Tudo isso é louvável, é importante , mas o que os prefeitos deveriam fazer mesmo, é uma coisa mais ofensiva, direta, que ê ir a BH, todos os prefeitos que estão engajados neste objetivo e conversar( pressionar o Governador) para uma solução.
Envie o seu Comentário